top of page
  • Foto do escritorPsicólogo Flávio Torrecillas

O que causa o Transtorno da Personalidade Histriônica?

Imagine uma garotinha trancada em um quarto, por horas a fio, às vezes até dias. Ela está com muita dor. Ela não sabe por que foi colocada aqui, ou quando sua mãe voltará. Ela voltará algum dia? A menina está com fome, não, não com fome, ela está morrendo de fome. Faminta por comida e carinho.

Tudo o que ela sabe é este quarto escuro e frio. Ninguém com quem conversar, olhar ou ser segurada, para que ela saiba que tudo ficará bem. Ela chora por horas a fio, abraçando-se, esperando que a dor termine e alguém abra a porta e a salve.

Ela já passou por isso antes. Ela sabe que alguém sempre vem para salvá-la, buscá-la e dar-lhe carinho, mas ela simplesmente não sabe quando. As crianças não têm noção do tempo, você vê, tudo é tudo e tudo é agora, então essa garotinha sabe que a mamãe a colocou aqui e ela não sabe quando voltará, ou quanto tempo ela terá que suportar essa dor.

Se ela esperar e for uma boa menina, alguém virá, alguém tem que vir. Não há outra opção. Eu só tenho que suportar isso primeiro, então estarei segura.


A garotinha espera seu tempo, tem conversas imaginárias na cabeça, com a própria mãe que a colocou nesse lugar horrível. Ela romantiza sua mãe até que ela seja uma criatura piedosa, uma mulher bonita e sobrenatural, que atende a todas as necessidades de sua filha. Sua mãe a alimenta, a nutre e a segura no colo. Mas apenas na imaginação da garotinha. Ela faz isso porque a realidade de sua mãe a negligenciar e deixá-la completamente sozinha é muito dolorosa para ela suportar.

Ela faz amizade com os insetos no chão. Eles são tão pequenos, minúsculos e fofos. Gostaria de saber para onde eles estão correndo tão apressadamente? Eles têm suas próprias mães para quem estão fugindo? Ela fala com os insetos, conta suas preocupações, observa uma formiguinha trazer comida para sua família. Talvez seja melhor eu ser uma formiga, então eu teria pelo menos comida, talvez eu devesse imaginar isso.

Finalmente, a porta se abre e a mãe chegou. Ela está de volta. Minha mãe está de volta e eu a amo muito. A garotinha corre para a mãe, agarrando-se à perna e se segurando pela vida. Ela fará qualquer coisa para ficar com ela, agora que conhece a dor de estar completamente sozinha.


Ela se torna uma pessoa agradável, uma artista. Ações e linguagem que uma garotinha nunca deve conhecer, ela conhece. Ela nunca mais quer experimentar a negligência e o abuso e, assim, encontra maneiras de obter atenção da mãe e de qualquer outra pessoa que olhe para ela. Ser ela mesma nunca é suficiente, nunca foi suficiente. Ela precisa agir, executar, ser perfeita. O cabelo perfeito, a roupa perfeita, as palavras perfeitas. Ela descobre todas as palavras que sua mãe quer ouvir.

A necessidade é absolutamente insaciável, porém, no fundo de nossas mentes, nunca esqueceremos como era não ser o centro das atenções, nunca esqueceremos o quão horrível foi e como não queremos nunca voltar a isso. Toda ação que tomamos é para manter essa escuridão afastada, sentir-se amada e adorada.

Ficamos desconfortáveis ​​quando não somos o centro das atenções, pois nos lembra nossa infância, o trauma que sofremos. Nós nunca queremos voltar para aquele lugar. Nossas vidas dependem disso.

7 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page